12°C 23°C
Wenceslau Braz, PR
Publicidade

Flores representam R$ 224 milhões no Valor Bruto de Produção do Paraná

Orquídeas, crisântemos e roseiras se destacam nesse cenário. Em relação às orquídeas, foram produzidas 370,8 mil unidades em 2022. O maior produto...

21/09/2023 às 14h36
Por: Da Redação Fonte: Secom Paraná
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Paraná
Foto: Reprodução/Secom Paraná

A floricultura, que tem seu período mais representativo na primavera, estação que se inicia neste sábado (23), alcançou Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de R$ 224 milhões em 2022, de acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab). Nesse segmento, os gramados e as plantas perenes dominaram, com participação de 76,8%.

Continua após a publicidade
Anúncio

“As flores propriamente ditas têm nas orquídeas, nos crisântemos e nas roseiras o esteio da produção e participação de 13% no montante da atividade”, disse o engenheiro agrônomo Paulo Andrade, do Deral, ao analisar o segmento no Boletim de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 15 a 21 de setembro.

Continua após a publicidade
Anúncio

Em relação às orquídeas, foram produzidas 370,8 mil unidades, proporcionando VBP de R$ 16 milhões. A predominância está no núcleo regional de Toledo, com 243,7 mil plantas e valor de R$ 10,5 milhões. Ali têm destaque os municípios de Marechal Cândido Rondon, Maripá e Guaíra.

Os crisântemos – em maços e em vasos – são mais comuns nos núcleos regionais de Maringá e Apucarana. O município de Uniflor é o principal irradiador da atividade com produção de 320 mil vasos, 41 mil maços e VBP de R$ 3,4 milhões. No total, essa espécie movimentou R$ 8,4 milhões com produção de 903,6 mil unidades – 813,8 mil vasos e 89,8 mil maços.

As rosas, por sua vez, estão mais concentradas na região de Maringá. Ali foram produzidas 57,7% das 285,9 mil dúzias colhidas no Estado. No entanto, o maior produtor individual é o município de Araruna, na região de Campo Mourão. Foram cortadas 110 mil dúzias de rosas, com receita bruta de R$ 1,5 milhão.

SOJA E MILHO– As condições favoráveis do clima ajudaram no avanço do plantio de soja. Até esta semana foram plantados mais de 352 mil hectares de um total previsto de 5,8 milhões de hectares. Os trabalhos estão mais avançados na região de Toledo, no Oeste do Estado.

O milho também deu um salto chegando a 58% dos 317 mil hectares estimados para a primeira safra. A colheita da segunda safra está chegando ao fim. O relatório do Deral aponta que já se atingiu 96% da área de 2,37 milhões de hectares.

FEIJÃO E TRIGO– O feijão também se beneficiou do clima e o plantio atingiu cerca de 34% dos 112 mil hectares estimados para esta temporada. No entanto, a perspectiva de ocorrência de altas temperaturas nos próximos dias começa a preocupar alguns produtores, pois pode prejudicar plantas em desenvolvimento vegetativo.

Os preços do trigo continuam pressionados pela entrada da safra brasileira. No Paraná os valores chegaram a patamares inferiores a R$ 50,00, ficando 43% menor que os preços mínimos estabelecidos pelo governo federal (R$ 87,77). Apesar de cada produtor ter um custo específico para suas lavouras, a diferença significativa indica que poucos conseguirão lucro se não houver alguma alteração.

PEIXES E FRANGO– O Paraná permanece como líder nacional em produção de peixes e demais espécies aquáticas, segundo levantamento do IBGE. O VBP da aquicultura totalizou R$ 6,9 bilhões e o Paraná representa 15% desse total – R$ 1,05 bilhão. A espécie mais cultivada é a tilápia.

O IBGE também apontou que o abate de frangos no Brasil teve alta de 4,7% no segundo trimestre de 2023 (1,557 bilhão de cabeças) em comparação com o mesmo período do ano anterior, quando foram abatidos 1,486 bilhão de cabeças. O Paraná tem 34,1% do abate nacional de frangos em número de cabeças e 37% no volume de carne produzida.

PERU E MEL– Nos oito primeiros meses de 2023 as exportações nacionais de carne de peru atingiram 47.523 toneladas, resultando em ingresso de US$ 144,3 milhões. Nesse mesmo período em 2022 o volume foi de 36.269 toneladas e entrada de US$ 121,7 milhões.

O documento do Deral registra ainda que nesse período as empresas nacionais exportaram 19 mil toneladas de mel, com faturamento de US$ 60,8 milhões. Nos oito primeiros meses de 2022 tinham sido 27.365 toneladas e entrada de US$ 102 milhões em receitas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.