12°C 27°C
Wenceslau Braz, PR

VOCÊ TEM ACESSO À JUSTIÇA?

Desde as relações mais simples e rotineiras com a família, vizinhos, trabalho, até as relações mais complexas como o comércio, o sistema tributário e fiscal, a seguridade social, todos, sem exceção, possuem seus reveses.

09/05/2024 às 10h34
Por: Da Redação Fonte: Alex Albergoni
Compartilhe:
VOCÊ TEM ACESSO À JUSTIÇA?

Vivemos em sociedade, as múltiplas relações cotidianas desencadeiam os mais variados conflitos. Desde as relações mais simples e rotineiras com a família, vizinhos, trabalho, até as relações mais complexas como o comércio, o sistema tributário e fiscal, a seguridade social, todos, sem exceção, possuem seus reveses. Até mesmo instituições financeiras que deveriam ser aliadas, aproveitam de seu poderio econômico em prejuízo da população, afinal, é comum nos depararmos com cobranças indevidas, vendas casadas, juros abusivos e muitas outras irregularidades.

Alguns desses conflitos são resolvidos de imediato, outros nem tanto, fazendo-se aí necessária a intervenção do judiciário.

De acordo com o Relatório Mundial sobre o Estado da Justiça 2020, produzido pelo IBGE, apenas cerca de 40% dos brasileiros têm acesso à Justiça. É um dado alarmante, pois, em plena era da informação, no mundo globalizado e digitalizado, ainda temos dificuldade de fazer valer nossos direitos.

Fatores como os custos de uma demanda, complexidade do sistema jurídico, tempos de resposta e exclusão social acentuam essa dificuldade.

De fato, o judiciário sempre foi uma instituição distante da população, algo de difícil acesso, assim como a figura dos Promotores, Juízes e Advogados que se apresentam como seres intocáveis, detentores do saber jurídico, de linguajar rebuscado. Por muito tempo essa percepção perdurou, porém, paradigmas têm sido quebrados.

Com a popularização dos celulares as informações passaram a tramitar de modo rápido, a inteligência artificial tem avançado a passos largos e substituindo diversas funções humanas, com capacidade de análise documental e sugestões de soluções jurídicas em tempo recorde, informações que antes eram exclusivas de determinadas classes, estão a um clique do alcance de todos.

O próprio Judiciário tem buscado mecanismos de aproximação da população, a título de exemplo a recente campanha lançada pelo STF titulada como “Pacto Nacional pela Linguagem Simples no Judiciário”, também no Tribunal de Justiça do Estado do Paraná como “e-forum”, uma medida para levar o judiciário em cidades que não possuem o prédio físico.

São avanços significativos, porém, ainda há muito a se fazer. Os profissionais do direito e a imprensa são extremamente importante nesse cenário, mesmo porque, jamais existirá tecnologia capaz de substituir a humanização.

Diante disso, em parceria com Jornal Folha Extra, iniciamos uma série de medidas visando levar informações jurídicas relevantes à população, de maneira a orientá-los, conscientizando sobre seus direitos e de como colocá-los em prática.

Serão várias publicações, textos, vídeos, lives, podcast, etc... todas voltadas aos conflitos do cotidiano e ao direito. Uma maneira simples de falar sobre o direito e de cunho eminentemente informativo.

Nos ajude nessa missão, se nosso conteúdo faz sentido para você siga nossas redes sociais, interaja e repasse adiante.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Alex Albergoni
Sobre o blog/coluna
Alex Albergoni atua desde 2004 nas áreas Civel, Sucessões, Familia e Previdenciário, com escritório no interior do Paraná.
Ver notícias
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,00%
Euro
R$ 5,81 0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,13%
Bitcoin
R$ 369,504,28 +0,48%
Ibovespa
121,341,13 pts 0.74%